G.P.S.C. de Montargil
Grupo de Promoção Sócio Cultural de Montargil
G.P.S.C. de Montargil

informação
 
InícioInício  PortalPortal  CalendárioCalendário  GaleriaGaleria  FAQFAQ  BuscarBuscar  MembrosMembros  GruposGrupos  Registrar-seRegistrar-se  Conectar-seConectar-se  
Conectar-se
Nome de usuário:
Senha:
Conexão automática: 
:: Esqueci minha senha
Últimos assuntos
» MUSEU ONLINE
Ter Abr 29, 2014 8:17 pm por lino mendes

» MUSEU ONLINE
Dom Abr 27, 2014 7:27 pm por lino mendes

» MUSEU ONLINE
Sab Abr 26, 2014 11:22 pm por lino mendes

» MUSEU OINLINE
Sab Abr 26, 2014 9:29 pm por lino mendes

» MUSEOLOGIA
Sab Abr 26, 2014 9:21 pm por lino mendes

» JORNAL DOSSABORES
Sex Abr 25, 2014 8:55 am por lino mendes

» LITERATURA
Ter Abr 22, 2014 9:36 pm por lino mendes

» O LIVRO
Ter Abr 22, 2014 9:33 pm por lino mendes

» O LIVRO
Ter Abr 22, 2014 9:31 pm por lino mendes

Buscar
 
 

Resultados por:
 
Rechercher Busca avançada
Rádio TugaNet
Geo Visitors Map
Novembro 2018
DomSegTerQuaQuiSexSab
    123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930 
CalendárioCalendário

Compartilhe | 
 

 Padarias & Padeiros

Ir em baixo 
AutorMensagem
Antonio Mendes



Número de Mensagens : 823
Data de inscrição : 24/07/2008

MensagemAssunto: Padarias & Padeiros   Qua Fev 25, 2009 1:33 pm

Padarias & Padeiros



Não obstante os muitos “fornos caseiros”, existiam por aqui umas tantas PADARIAS familiares e onde a exemplo do restante comércio as pessoas se iam “aviar” e conforme depois recebiam à semana á quinzena e nalguns casos até ao mês, iriam pagar. E é de não esquecer nas páginas de memórias da nossa terra, as funções de “instituições financeiras”que, sem juros, estas lojas, estas vendas, desempenharam. E não se pense que quando a situação social se alterou, todos os livros de fiado ficaram limpos….

Mas o nosso objectivo de hoje, é recordar como o pão então era feito, já que ao recorrer-se a novos processos, a novas tecnologias, o produto final (o pão) perdeu qualidade.

Para começar, o fermento ( o isco) era feito da própria massa que ficava do dia anterior, não tendo qualquer produto químico ,como hoje acontece.Com mais um pouco de farinha o isco era aumentado, e posto a fermentar após o que e numa masseira de madeira, se amassava a pulso a massa calculada para a “fornada.” Eram chamadas massas lentas. Amassava-se, estancava-se, e ficava algumas horas a crescer. Quando estava capaz para isso, pesava-se, enrolava-se, deixava-se crescer mais um bocado, para a seguir se tender, dando-lhe então o formato desejado.

O forno de então era de tijolo e era aquecido a lenha ( estevas).Era um produto que havia muito aí pelo campo, havendo pessoas que se encarregavam de fornecer as diversas padarias.

Refira-se que se as funções de “amassador”eram bastante duras, não o eram menos as de “forneiro”, dado o seu contacto com o lume. E fazer o aproveitamento do forno para o maior número de pães, tinha a sua ciência.

Entretanto e em termos comparativos, o fermento sem produtos químicos e o forno a tijolo aquecido a lenha, conferiam ao pão uma melhor qualidade. Apenas a amassadeira mecânica não desvirtua o produto final.

LINO MENDES
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
 
Padarias & Padeiros
Voltar ao Topo 
Página 1 de 1

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
G.P.S.C. de Montargil :: História e Património :: História de Montargil-
Ir para: